Em ofício, presidente da Câmara pede plano emergencial para atender Moradores em Situação de Rua

#PraCegoVer: Foto mostra pés de pessoa de rua, em frente a uma sandália de dedo de borracha.

#PraCegoVer: Foto mostra pés de pessoa de rua, em frente a uma sandália de dedo de borracha.

Em ofício endereçado a prefeita Capitã Lucimara Godoy Vilas Boas (PSD), no começo desta semana, o presidente da Câmara, vereador Franklin se demonstrou preocupado com a situação dos Moradores em Situação de Rua, diante das repentinas e bruscas quedas de temperatura que estão ocorrendo neste inverno.

 

No documento ele pede à prefeita a implantação de uma Operação Especial para todo o período de inverno com o objetivo de garantir mais conforto e amparo aos Moradores em Situação de Rua. De acordo com dados do Serviço Especializado de Abordagem Social (SEAS), responsável pelo atendimento aos Moradores em Situação de Rua em Valinhos, são 63 pessoas nesta situação.

 

“A cada nova frente fria, as temperaturas em nossa cidade estão chegando bem abaixo de 10 graus, quando aumenta o risco de morte por hipotermia. Assim, é preciso oferecer a este grupo maior atenção, visando amenizar sua situação nestas nas noites geladas”, disse Franklin. Para ele, a situação é preocupante e reconhece o esforço e a dedicação da rede de proteção e de acompanhamento desta população, que envolve a Secretaria de Assistência Social, Instituições Religiosas e de Organizações não-Governamental (ONG).

 

Mas é preciso fazer mais. Segundo ele, essa população esta sofrendo duplamente, com o inverno e com a pandemia. “É uma situação de grande vulnerabilidade e já temos notícias de dezenas de óbitos em função do frio em nosso Estado. Além disso, não podemos esquecer dos animais que são companheiros dessas pessoas e também sofrem com o rigoroso inverno”, disse.

 

No ofício o presidente da Câmara destaca que está “acompanhado esse tema com pessoal interesse, sobretudo o que estão fazendo alguns municípios da nossa região, na adoção de medidas e planos especiais para auxiliar essa população”. “Sei que há certa dificuldade em convencer essas pessoas a irem para o abrigo emergencial que é conduzido com o auxílio da Igreja Católica, mas precisamos usar todos os recursos para evitar que eles fiquem expostos às baixas temperaturas”, comenta.

 

Franklin também aproveita para pedir informações sobre SEAS e a forma como se dá a abordagem e o atendimento à esta população. “Acredito que podemos, Legislativo e Executivo desencadearmos uma Campanha Conjunta ou um Plano Emergencial, que possa auxiliar o SEAS e os atores envolvidos nesse trabalho humanitário, visando sobretudo anemizar o impacto causado pelas quedas de temperatura na vida dessas pessoas”, finalizou.

 

Segundo ele, esta também seria uma forma de incentivar outras pessoas a participar de forma voluntária, desde que a ação esteja bem articulada de forma coesa e dinâmica.

 

Em Valinhos o grupo de 63 Moradores em Situação de Rua vive e dorme na Praça Brasil 500 anos, Viaduto Laudo Natel, Estação Ferroviária, CACC ‘Adoniram Barbosa’, Rodoviária e Praça Washington Luiz e em segundo para solicitar e sugerir, caso ainda não se faça em nossa cidade.

 

Foto: Rudnei Barbosa/Divulgação Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo